Contratempos

Na terça feira, havia acabado de sair de uma reunião e a minha esposa ligou.

— Amor, pode falar rapidinho?
— Oi Vida, posso sim, vou entrar numa reunião daqui dois minutos. Boas notícias?
— Nada demais. Só avisar que consegui o carreto que vai levar nossas coisas para o apartamento. Tudo bem sábado às 7h?
— Ah que legal! Pode sim! Fiquei animado agora, já já teremos nosso cantinho. Mas quanto ficou?
— Siiiiim! Ele fechou em R$450 com dois ajudantes…mas foi o mais barato que consegui. Os outros queriam de R$550 a R$800.
— Nossa! Que absurdo isso! A distância não dá 4 quilômetro e só vão levar algumas caixas, a TV e o rack.
— Pois é, sacanagem…mas paciência né, amor…ou isso ou vamos pagar o aluguel sem ter ninguém lá. Parei no caminho para a sala de reunião, bebi uma água na minha garrafa e quase derrubei o notebook. Enquanto me ajeitava, derrubei um pouco de água no chão.
— Idiota!
— Me xingou?
— Não amor, perdão! Me xinguei depois que derrubei uma coisa aqui no chão.
— Ah tá! Quer desligar?
— Não, pode deixar — disse enquanto secava o chão com um lenço de papel.
— Mas voltando ao assunto, pena que ainda vão chegar às coisas e teremos que dormir naquele colchão de ar. Droga, esqueci que a cama ainda vai demorar para chegar. Dormir naquele treco me deixa todo quebrado.
— Mas, faz parte, amor, o bom que temos a TV para passar o tempo e o micro-ondas para fazer uma pipoca e lasanha para comer durante a semana — respondi enquanto entrava na sala. Todos me olharam por causa do atraso.
— Mas talvez nem precise comprar as coisas, o fogão chegará no domingo ou segunda.
— Maravilha! Agora preciso desligar e depois nos falamos! Beijos!

Enquanto estavam tentando conectar o projetor, anotei na planilha de Excel:

Fogão – Quarta 05/08
Cama – Sexta 07/08
Geladeira – Segunda 10/08
Sofá – Segunda 10/08

Droga…a cama e o sofá ainda vão demorar um tempo para chegar. Mas quem sabe damos sorte e entregam antes da data prevista. A semana passou voando e a ansiedade só aumentava.

Organizamos as coisas na sexta até às 2h da madrugada, foram mais de vinte caixas com roupas, alguns Action Figures. No sábado às 6:30h já estava de pé quase colocando o dedo na tomada para tentar perder o sono. Tomei banho quase frio, bebi meio copo do café da minha mãe, tão forte que era mais preto que piche. Nunca vi ninguém fazer café com oito colheres de sopa e ainda do extra forte. Até ajudou a perder o sono, mas pra variar me deu azia, taquicardia e muita agitação.

O combinado era pro carreto chegar às 7h. O puto chegou só quatro horas depois e nem para atender o telefone ou avisar que atrasaria. Ao menos eu teria dormindo um pouco mais. Ele teve a audácia de estacionar do outro lado da rua. Enquanto ajeitava umas coisas no caminhão, estava falando algo para mim que não dava para entender. Talvez para dar um pouco de cor na lombriga que ele carregava dentro da enorme barriga de cerveja, teve a brilhante ideia de levantar a camiseta branca e coçar o saco. A visão do inferno não parava por aí. Ele estava usando uma calça jeans azul pendurada na cintura que por algum milagre não caiu. Mas para variar deu para ver o cofrinho gigante e mais peludo que um poodle quando foi abaixar para amarrar o tênis. Depois de uns cinco minutos falando para mim, sozinho, ou para alguma entidade, atravessou a rua e veio conversar.

— Patrão, é o seguinte, o rapaz que ia ajudar não veio, e vou precisar de ajuda para carregar as coisas.
— Mas não eram dois? Eu entendi que eram dois ajudantes pelo preço de R$450.
— Sim, isso mesmo. Mas é que um deles passou mal e por isso não veio. — Tá…e o outro?

Ele coçou a cabeça e respondeu gaguejando

— Ficou no funk a madrugada toda e não quis vir.
— Hum…E quanto será meu desconto?
— Que desconto? — questionou exaltado.
— No valor de R$450 está incluindo os valor dos dois ajudantes. Já que eu vou fazer o trabalho deles, o valor ficará menor. Então quero saber quanto você vai reduzir.
— Não senhor, é esse o valor mesmo. Os dois eu ia pagar por fora — respondeu e cuspiu na calçada um catarro mais verde que boldo amassado.

Não era possível…só podia ser brincadeira isso. Olhei para os cantos tentando enxergar alguma câmera escondida.

— Mas quero um desconto, já que eu que vou ter que carregar as coisas.
— Não tem desconto, chefe, se não quiser pagar esse valor, então vou para o outro carreto.
— Amigo, vamos lá! Combinamos as 70h e…
— É pegar ou largar, Patrão! Ainda que estou fazendo um preço bom. disse me interrompendo e ainda levantando o tom de voz.

Respirei fundo, xinguei o filho da puta mentalmente e respondi:

— Beleza! Melhor colocar o caminhão desse lado aqui para facilitar. As coisa estão lá dentro.
— Patrão, não vai dar para ajudar. Eu tô com uma hérnia de disco e não posso carregar peso.
— Hum…tendi… Dei as costas e fui pegar as coisas. Por um momento me senti o Majin Boo gordo, soltando fumaça pela cabeça e querendo explodir. Mas beleza, era só subir quatorze degraus, passar pela sala, cozinha, quartos e finalmente chegar na lavanderia para pegar a TV, o rack, micro-ondas e cada uma das 20 caixas. Depois de quase uma hora, o caminhão estava cheio e finalmente partimos para o apartamento.

No caminho ele acendeu um cigarro enquanto dirigia. Coloquei a cara para fora da janela, quase igual um cachorro quando vai passear. Mas não teve jeito, fodeu com a minha rinite. Além da coriza que parecia uma torneira desregulada, minha garganta ficou irritada e meus olhos vermelhos e inchados. Pra evitar que ficasse mais estressado, preferi ficar calado. Se eu começasse a reclamar, não ia parar tão cedo.

Em apenas quinze minutos, chegamos no prédio. Chamei um amigo que morava no outro bloco para me ajudar. Foram mais 5 andares para subir com todas aquelas coisas. Despachei o motorista, tomei um banho e capotei no colchão de ar. Em poucos dias o sofá, a cama, fogão e geladeira chegariam. Tudo estaria em perfeitas condições, eu ia deitar no sofá pra descansar, dormir na cama para ter uma boa noite de sono e jantar comida de verdade. Nada de fastfood e comidas enlatadas. Faltava pouco para termos muito mais conforto. Só que não…

Em breve, contarei aqui um problemão que tivemos com uma das entregas.

Um comentário sobre “Contratempos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s