O vermelho patenteado

O lucro da montadora cresceu cerca de 12% no último ano. Segundo os números do fechamento cerca de 40% do crescimento da empresa veio de processos e resultados de entradas em fóruns, devido à decisão controversa de patentear a cor vermelho.

E não é simplesmente qualquer vermelho, mas sim o vermelho da próxima frota de carros que sairá por volta de novembro deste ano. Algumas marcas e agências desavisadas usaram o mesmo vermelho em campanhas e logos, e foram processadas. O mesmo aconteceu com inúmeras empresas que usaram o tom de vermelho para uniformes e campanhas publicitárias.

A montadora disse estar ciente da controvérsia que é patentear uma cor, mas ela acredita que a próxima frota de carros ficará marcada com a cor, no exato tom de vermelho patenteado, e acredita estarem fazendo o certo para o branding da empresa e do novo modelo.

Também disse que se preparou para o ocorrido, contratando o máximo número de advogados e estando atentos a marcas ou bancos de imagens que usarem o tom de vermelho patenteado.

Algumas poucas empresas conseguiram não sofrer processo, ou ganharam causas por argumentarem que o vermelho que usaram era um pouco puxado para o verde, ou tinham alguma porcentagem de ciano que o vermelho patenteado não tinha. Ainda outras conseguiram vencer causas por dizerem que o vermelho patenteado é metálico, enquanto o que eles usaram era digital ou fosco.

Por enquanto não saíram fotos, nem material promocional ou propagandas sobre o novo modelo do carro que levará a cor vermelha patenteada, mas com certeza ele já trouxe mais lucros para a montadora do que muitos outros fizeram.

Processo de Coachzação

A cada minuto são subidas 60 horas de vídeo para o Youtube. A cada ano que passa, mais conteúdo tem sido produzido para Instagram, Facebook, Snapchat, Tiktok e outras inúmeras plataformas e redes sociais que vão surgindo.

Somente em português, são mais de 5,5 milhões de blogs ativos, com conteúdo sendo gerado semanalmente, igualzinho a este blog aqui que você está lendo. Se você não entendeu, são cinco mil e quinhentos blogs… vezes mil.

O Brasil tem cerca de 120 milhões de internautas, e quase metade deles têm um blog. Desses 120 milhões, cerca de 40% escutam podcasts, de 10 a mais de 90 minutos de duração. O dia tem 24 horas, mas a cada dia são subidas 5 milhões de horas de vídeo no youtube, equivalendo a mais de 500 anos.

Se você não entendeu até agora, caro leitor, entenda…a internet está inflada. Superinflada. E ao mesmo tempo, cheia de conteúdo que não existem pessoas o suficiente para consumir.

Há anos vem acontecendo o que eu poderia, com toda tranquilidade, chamar de “Efeito Coach“, ou “Processo de Coachzação“.

Consiste na ideia de que, por exemplo, havia um blog, e dez pessoas seguiam este blog. Agora as dez pessoas têm seus próprios blogs, e agora são onze blogs que centenas de pessoas acompanham e seguem. Já passamos do estágio em que as centenas de pessoas têm blogs, e agora não existe mais ninguém para ler. Assim como já existe coach de tudo, e, se todo mundo é coach, ninguém é coach de coisa nenhuma.

A questão que você, leitor, quer também seja blogueiro, escritor, vlogger, influencer, coach, saiba usar bem o seu tempo. Ou, pelo menos, se preocupem com o tempo que as pessoas que leem seu conteúdo gastam.

Você, por exemplo, está aqui lendo este texto super sério, e meio sem graça. Pode clicar aqui embaixo no link, e ir para algum texto que, talvez, seja mais legal. Eu prometo (ou não)…

Robô Pedinte #1

Naquela esquina estavam o semáforo, os carros autônomos passando, e o asfalto cansado de tudo aquilo. Ninguém questionou a existência de um semáforo em pleno século XXI, mas também, ninguém notou a presença dele ali. Todos estavam bem atentos às telas de seus dispositivos.

Tanto que não notaram, os transeuntes que por ali passavam, um robô sentado no chão. Era de uma lataria antiga e parecia ser daqueles feitos de ferro. Imersos em suas lentes e telas, e presos a seus fones e dispositivos, não conseguiam ouvir o que aquele pequeno robô parado na esquina tinha a dizer.

Menos o Maicon, que esqueceu o powerbank em casa, e o seu celular já acabou a bateria bem no meio da reunião da empresa. Ele já estava chateado e entediado, porque há décadas todo mundo sabe que ninguém presta atenção em reuniões de empresas, e somente ele teve que prestar atenção, já que não tinha bateria.
Depois de ter recebido uma promoção por isso, saiu em busca de um powerbank ou um carro autônomo para levá-lo para casa. E foi naquela esquina em que ouviu as palavras robóticas vindo do seu lado direito “pode d-dar uma ajudinha, por favor?”

Não dá pra explicar se era a cor da sua lataria enferrujada, o fato de ele ser um modelo super ultrapassado, ou dele estar exatamente ali naquela esquina onde só passavam pessoas presas em suas telas ou carros. Não era o seu discurso, pedindo dinheiro em qualquer quantia, ou qualquer outro tipo de ajuda.

Ele estava lá todo o tempo, mas ninguém percebeu.

Guerra de Unboxing

Olá pessoal, sejam bem vindos a mais um vídeo, e dessa vez vamos abrir alguns recebidinhos da Terceira Guerra! Lembrando que essa série de vídeos é uma parceria com a linha nova da Nike, WW3.

Com os tênis novos da Nike, você está preparado para qualquer terreno, qualquer dificuldade. Sua performance, sua corrida e sua sobrevivência estão garantidos com qualquer tênis da linha Nike WW3! Além disso eles contam com a nova tecnologia anti-furto da Nike, que garante que ninguém vai roubar seu tênis durante a guerra, mesmo depois que você morrer! Agora vamos ao unboxing…

Bem, pessoal..chegou essa pequena caixa aqui. Veio toda embalada nesse papel parecendo camuflagem de exército, estão vendo? Excelente, super temático. Deixa eu abrir aqui…pronto. É um headphone! Uau, o modelo dele é impressionante. Super confortável. Veio também o cabo para carregar, e um manual. Ele é bluetooth, e você consegue parear com a sua metralhadora semi-automática. Não é o máximo?! Vamos para o próximo item da nossa lista!

Olha só, galera…dentro dessa embalagem tem um kit de maquiagem camuflável ma-ra-vi-lho-so! Perfeito para qualquer batalha, seja na praia, na floresta, no deserto. E o melhor, olha aqui: Não sai na água. Não borra. Você pode morrer num mangue, no mar, que vai continuar perfeita!

Agora para o último item que recebi nessa última semana. Espera que eu vou buscar…Aqui, gente. Olha o tamanho dessa caixa?! O que será que veio aqui dentro? Vamos abrir!

Uau, galera. Aqui dentro da caixa veio uma submetralhadora eletrônica! Ela tem mira automática, com reconhecimento facial, e trava com digital. Você também pode conectar ela via bluetooth no seu celular, e saber quantos disparos e quantos acertos você deu durante o dia. Além disso ela vem com uma câmera aqui na frente, para o seu instagram não deixar de bombar durante a guerra!

A próxima grande coisa

Tem esse negócio novo, se chama Livraria. Parece que você pode ir lá e comprar livros. Você paga e o livro é todo seu. Incrível, não é?!

Muito melhor do que aquelas bibliotecas, onde você pega o livro junto com uma rinite, e devolve alguns dias depois. O livro. A rinite continua.

Tem também esse negócio de cinema, que parece uma cópia barata e preguiçosa do teatro. Os atores só precisam trabalhar uma vez. É muito impessoal, muito esquisito. Depois que acaba ficam subindo umas letrinhas que você não entende nada, e todo mundo aplaude pras letrinhas subindo, nada dos atores virem dando as mãos, receberem os aplausos. Negócio muito estranho.

Só não sei se é mais estranho que a TV. duvido que aquele tubo dure muita coisa. Acha?! A família toda ficar parada na frente de um pedaço de plástico e vidro, igual ficavam perto do rádio.

Rádio, sim, era coisa boa. Mas era coisa de preguiçoso também, igual o cinema. O artista agora só precisa fazer uma vez e já tá bom? Passa na rádio, na TV, no cinema. Que isso.

Pra dificultar, agora tem série e saga. Ficou fácil demais fazer um filme só, então bora fazer três. Ou faz um episódio por semana. Aí você, que quer assistir, tem que ir na locadora alugar a fita ou DVD, igual na época da bibliotecas. Assim as coisas voltam a ter um pouco de dificuldade.

Apesar que tem essa coisa, estão chamando de computador. Diz que vai acabar com os arquivos de fichário e as máquinas de escrever. Absurdo. Só me faltam dizer agora que as pessoas não vão precisar se reunir mais em volta de uma mesa pra conversar sobre o texto, o roteiro, a história.

É mesmo, tem o telefone. Não precisa nem visitar parente mais. Você liga pra saber se tá tudo bem. Aí você ouve a voz dele, lá da outra cidade, dizendo se tá tudo bem. É tipo o rádio, só que tem linhas que ligam os telefones. Só que o interurbano é caro…

Só não é mais caro que esse negócio de avião. Parece que a gente é passarinho, agora. Vai ter rodoviária de avião, shopping dentro da rodoviária de avião. Que engraçado. Daqui a pouco vai ter TV dentro do avião, e aí a bizarrice tá completa.

Só não tá mais completa porque não pode usar telefone no avião. E agora tem esses telefones com um monte de teclas, parecendo um mini computador estranho. A tela pequenininha, igual aqueles telefones antigos, que pareciam rádio.

Estão chamando de telefones inteligentes. Alguém achou ainda mais inteligente tirar as teclas. Como é que eu vou usar isso?! É um espelho que liga. Faz chamadas também. Ah tá, você toca no vidro e ele responde. Da pra mandar e-mails também, que é tipo uma carta só que na tela. Agora tem em tamanhos maiores também. Tem de todos os tamanhos, na verdade. E de todas as cores. Alguns tem o preço de um computador.

E o computador cabe na mochila, a livraria cabe na palma da mão. Cabe também uma calculadora, mapa, bússola, a TV, o seriado, a câmera fotográfica, filmadora, o jornal, o supermercado, a máquina de escrever, o rádio, o toca discos…tudo isso conectado nisso que eles estão chamando de Rede Mundial de Computadores, que parece que veio mesmo pra ficar.