Ode à alma do felino 

Das cores, o caramelo, chama mais a atenção,faz-me encolher com meus olhos castanhos. Quando estou na cadeira de fio, paro a observar,se jogo um novelo de lã, o mais esperto,já pula na frente e entende que é hora de diversão.Do mesmo modo, há aquele que para ser notadopega sua coragem e passa a comer a ração dos cachorros.Outra coisa que me fascina é sua liberdade, de … Continuar lendo Ode à alma do felino 

Porta-retrato

Sinto-me só neste lugarcom medo do seu olhar.Pare! Toda vez que falosuas palavras me condenam. Alguém pode me ouvirapenas por alguns minutosvou somente falar da vidae de todas que me roubaram. Já não tenho mais ninguéma casa levaram de mimas roupas foram para o abrigome restou apenas uma foto. Foi aquele porta-retratoque achei ter perdido por anosfez lembrar você que foise embora com a doença. … Continuar lendo Porta-retrato

Sobre saudade

Numa madrugada inquietante voltou para si como uma leve brisa, o cheiro de perfume sempre marcante que ela usava. Junto, veio o sentimento, a insaciável saudade que não tirava um minuto de descanso do seu peito, agora mais do que nunca tomada por ela. Para aliviar um pouco toda essa tempestade, repassou todas as conversas, risadas e manias encantadoras O que era para ser alívio … Continuar lendo Sobre saudade

Banzo

A saudade tem cheiro de coentroE gosto de pimenta com tomate Ela está naquele ponto do arroz que só você sabia fazer  A saudade fica na estante da salaQue veio de herançaNum frasco de perfume AvonQue ficou No barulho das escadas de madeiraRangendo numa casa de gleba No vermelho do piso encerado  No pé de pinha No de figos  A saudade quebra castanhas na calçadaSai as 4 … Continuar lendo Banzo