Trocado no aeroporto

Emir era viciado em café. Quando o desejo aumentava algo estava para acontecer. Ele saiu do hospital, situado no bairro do Flamengo, com fraqueza em suas pernas e palidez no rosto, deu dez passos até chegar à rua Antônio Guedes. Embora a temperatura não fosse tão cálida, seu corpo havia transpirado, o que não aconteceu nos últimos vinte dias. Todo ânimo adquirido nas últimas horas … Continuar lendo Trocado no aeroporto

A nossa fotografia

Subi correndo a escada, todo eufórico, batendo os pés. Parei para respirar apenas uma vez em meio aos vinte e cinco degraus. Fui direto ao quarto de papai. Não bati à porta, ao entrar, soltei um sonoro grito de felicidade. Havia superado milhares de concorrentes no concurso de fotografia, além do troféu, ganhei um prêmio em dinheiro. Diante da minha euforia, meu pai pediu para … Continuar lendo A nossa fotografia

Ode à alma do felino 

Das cores, o caramelo, chama mais a atenção,faz-me encolher com meus olhos castanhos. Quando estou na cadeira de fio, paro a observar,se jogo um novelo de lã, o mais esperto,já pula na frente e entende que é hora de diversão.Do mesmo modo, há aquele que para ser notadopega sua coragem e passa a comer a ração dos cachorros.Outra coisa que me fascina é sua liberdade, de … Continuar lendo Ode à alma do felino 

Porta-retrato

Sinto-me só neste lugarcom medo do seu olhar.Pare! Toda vez que falosuas palavras me condenam. Alguém pode me ouvirapenas por alguns minutosvou somente falar da vidae de todas que me roubaram. Já não tenho mais ninguéma casa levaram de mimas roupas foram para o abrigome restou apenas uma foto. Foi aquele porta-retratoque achei ter perdido por anosfez lembrar você que foise embora com a doença. … Continuar lendo Porta-retrato

Rir é um ato de resistência

São 8h44 e tive um desejo de me olhar no espelho. Percebi novos fios brancos ao interromper uma coceira. Observei alguns cravos perto do nariz e ao virar minha cabeça vi uma marca antiga no meu olho. O sinal de uma pedrada quando resolvi comemorar um gol. Estranho, como ficar diante deste objeto faz gritar em mim uma frase que me persegue há dias: “Rir … Continuar lendo Rir é um ato de resistência

Palavras Matam

Houve um tempo que qualificar as pessoas era apenas uma brincadeira. Não havia penalidade. Caso se queixasse do comportamento alheio, a pessoa poderia ser excluída ou taxada de ignorante. Há dois dias me pego a pensar nisso. A cena ainda me consome, ultimamente, não faço outra coisa, a não ser ruminar aquela história. Sim! Uma história real. Na praça do governador, havia uma agitação durante … Continuar lendo Palavras Matam

Os acordes dos encontros

Desculpem, mas volto no dia 26 de fevereiro de 2020, um dia que não levamos a sério. Estávamos reunidos entre amigos. Chegamos à noite, éramos quatro casais, além das crianças e agregados. Aos poucos víamos cada um descarregando bolsas com roupas, sacolas com verduras, frutas, leite, carnes e inúmeras cervejas e destilados. Por fim, alguns pen drives com músicas para acompanhar as conversas. Havia para … Continuar lendo Os acordes dos encontros

Ruas e suas histórias

Acordei preguiçosamente. Com os olhos entreabertos. Eram quase oito horas, acho que já era primavera. Ainda tentei virar na cama para ver se ainda pegava no sono, foi em vão. Era feriado. Não tomei café. Queria sair, ver as pessoas ou o que restou delas na cidade. O céu azulado. As folhas das copas das árvores em uma inércia: um prelúdio de mais um dia … Continuar lendo Ruas e suas histórias

Uma caixa de sapato selou meu destino

Não estou inventando: saiu no jornal “Em São Paulo, adolescente de dezesseis anos (dezesseis, sim) arma-se com um revólver e abre caminho até alcançar seu direito de ir e vir”. O repórter disse que um casal foi morto. Não posso dizer o nome porque não sou “dedo-duro”, poderia até dizer o milagre, mas sem revelar o nome do santo. O revólver encontrado, era um RT … Continuar lendo Uma caixa de sapato selou meu destino