Revolta dos Escritores

– Senhor, eles estão lá fora, e parecem muito zangados.

O senhor ligou a TV, enquanto olhava pela janela, e o jornais noticiavam o motim em frente ao escritório da empresa.

– O que estão fazendo aqui na frente?

– Bom, eu imagino que eles não saibam que aqui é só o escritório.

– Ah, se fossem robôs, saberiam.

– Estão revoltados com o…artigo.

A repórter na televisão prosseguia:

“A revolta começou na última semana, quando o primeiro robô a publicar uma matéria de opinião em um dos jornais mais famosos do país, dividiu os jornalistas e escritores. Nem todos concordaram com a opinião do robô, mas a grande maioria se revoltou ao perceberem seus empregos desaparecendo com a revolução das máquinas”.

– O que eles querem? Um computador ligado a noite inteira pode produzir uma biblioteca! Eu estou trabalhando no meu romance há semanas! – entrevistado um escritor.

– Isso não é justo, ok. Nós fazemos ligações e enviamos e-mails. Checamos informações. Isso dá muito trabalho. Para um robô vir e fazer tudo isso com um botão?

“Dezenas de escritores vieram aos portões da empresa dona do robô que emite opiniões que já são conflito, e trend topic na maior parte das redes sociais…”

– O senhor quer que eu chame a polícia?

– Melhor não, Melissa. Faça um fake. Publique um tweet.

– Sim, senhor

– Ah, melhor ainda. Deixe o robô fazer o tweet.

– Ok

3 comentários em “Revolta dos Escritores

Os comentários estão encerrados.