Embate da madrugada

Em plena meia noite no meu quarto, se instaura uma guerra pela sobrevivência em vários níveis. Suavemente, um zumbido agudo se aproxima. É da exata frequência que me impede de dormir, e me deixa com uma leve dor de cabeça o dia seguinte inteirinho.

Veja bem, eu reconheço o outro lado. O pequeno inseto precisa se alimentar e sobreviver. Ele precisa fazer esse barulho pra, sei lá, atrair fêmeas com disposição de procriar com um cara chato como ele. Não é só pela picada, que fica vermelha, tira meu sangue e deixa uma pequena quantidade do veneno dele que me faz querer coçar meus braços até arrancar a pele.

Do meu lado existe a sobrevivência social. Ele precisa entender que eu preciso dormir bem, e estar disposto, até para não avançar na primeira pessoa que vier com uma pergunta boba como “E esse calor, hein?” logo de manhã. Eu sou feito de carbono que nem ele, mas sigo uns protocolos sociais que ele não entende. Essas horas de sono que eu to aqui, dando tapas no ar, no escuro, eu devia estar dormindo para ser uma pessoa sorridente no dia seguinte.

Isso ele não entende. Eu até sou bonzinho no começo. Deixo a primeira picada. Não é só por eu estar dormindo, e não ter a mínima ideia do que esta acontecendo. Pura benevolência. Mas a situação evolui para a condição de: Ele precisa se alimentar mais. Eu preciso dormir. Ele precisa procriar, eu preciso estar feliz no dia seguinte, e…

Eu levanto. Ligo a luz. A visão turva atrapalha um pouquinho, realmente. Coloco os óculos e piora um pouquinho, mas meus olhos se acostumam. O que se segue são mais trinta minutos de tapa no ar, com a diferença de que agora estou vendo alguma coisa. Só não tenho agilidade para acertar meu oponente num golpe.

Acabo considerando já ter perdido mais tempo de sono do que seria possível para eu aproveitar o máximo do meu dia. Prefiro ser diplomático.

Ligo o ventilador, apago a luz e deito.

Ele pelo menos não consegue voar, meu calor no meio da noite diminui, e ele vai dormir pra viver mais um dia.

Amanhã eu compro uma raquete.